Idese

A Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser (FEE) divulga os resultados do Índice de Desenvolvimento Socioeconômico (Idese) dos municípios, das microrregiões, dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes) e do Estado do Rio Grande do Sul referentes ao ano de 2014 e revisa a série histórica 2007-13.

O Idese avalia a situação socioeconômica dos municípios gaúchos quanto à educação, à renda e à saúde, considerando aspectos quantitativos e qualitativos do processo de desenvolvimento. É importante destacar as mudanças no Bloco Renda, uma vez que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e instituições parceiras (dentre as quais a FEE) mudaram a metodologia de cálculo das contas regionais.
O Idese do Estado do Rio Grande do Sul atingiu a marca de 0,757 em 2014. Houve, portanto, um aumento de 1,4% no índice em relação ao ano anterior, conforme a nova série histórica (0,747 em 2013). O crescimento acumulado do Idese desde o ano de 2007 atingiu 8,5%. Em média, isso significou um aumento de, aproximadamente, 1,2% a.a.

Na classificação por municípios, o primeiro colocado continuou sendo o Município de Carlos Barbosa (0,892 em 2014), localizado no Corede Serra. Outro município serrano, Nova Bassano (0,867), obteve o segundo Idese mais alto, seguido pelo Município de Água Santa (0,866), localizado no Corede Nordeste. Não há maiores surpresas nesses resultados, uma vez que a classificação segue padrão já conhecido acerca do desenvolvimento no Rio Grande do Sul: os municípios das áreas de colonização em pequenas propriedades, localizados, em sua maioria, no norte e no nordeste do Estado, apresentam indicadores mais altos de desenvolvimento.