Embarques de soja garantem primeiro crescimento em valor das exportações gaúchas desde novembro do ano passado

O forte crescimento dos embarques de soja para a China e Paquistão contribuiu para o aumento das exportações gaúchas em valor e volume neste mês de maio e recoloca o Estado em terceira posição no ranking nacional, atrás de São Paulo e Minas Gerais e à frente de Rio de Janeiro, Mato Grosso e Paraná. As exportações gaúchas aumentaram sua participação nas vendas externas brasileiras de 9,4% para 10,1% e somaram US$ 1,766 bilhão, um crescimento de US$ 193,5 milhões em relação ao mesmo mês do ano anterior. Apesar da queda nos preços ter alcançado 9,4%, houve compensação pelo aumento de 23,9% em volume, resultando em um crescimento de 12,2% em valor. Desde novembro de 2015 que, na base de comparação mensal, não havia crescimento em valor das vendas externas do Estado. O desempenho do RS foi superior ao registrado pelo Brasil, que também apresentou crescimentos em valor (4,8%) e volume (14,4%) e recuo em preço (-8,4%). O pesquisador Tomás Torezani destaca que o resultado positivo das exportações gaúchas foi influenciado pelo crescimento de todas as classes de produtos, tanto em valor quanto em volume, mas os produtos básicos tiveram papel determinante no crescimento das receitas em dólar. “Os produtos básicos aumentaram em US$ 131,6 milhões suas vendas externas. Em seguida, aparecem os produtos semimanufaturados, com crescimento de US$ 64,5 milhões e os manufaturados, com US$ 5,4 milhões. Já o maior crescimento em volume foi registrado pelos semimanufaturados (87,4%), seguido pelos básicos (21,8%) e manufaturados (19,8%). Por sua vez, os manufaturados foram os produtos que exibiram a maior retração em preços (-15,6%), seguido dos semimanufaturados (-10,8%) e dos básicos (-6,7%)”, resume.

O destaque no crescimento dos produtos básicos é a soja em grão, com US$ 170,1 milhões (+32,4% em valor, +38,3% em volume e -4,3% em preço), representando 39,1% do total exportado pelo Estado. “Inclusive, em 2016, foi registrado o maior mês de maio em termos de quantidade embarcada da série histórica, totalizando 1,882 milhão de toneladas”, destaca Tomás. Contudo, com preços ainda baixos, na esteira do fim do ciclo de auge dos preços das commodities, a receita em dólar dos embarques foi menor do que em outros anos com embarques menores. Já o crescimento nas exportações de celulose para a China e de automóveis para a Colômbia foram os destaques positivos dos produtos semimanufaturados e manufaturados, respectivamente.

Acesse aqui o estudo completo.

 

Sandra Bitencourt- Jornalista

Texto: Núcleo de Imprensa - FEE