FEE divulga Carta de Conjuntura de novembro

Inversão do comportamento do desemprego entre homens e mulheres na RMPA

Estudo divulgado nesta terça-feira (10/11) pela pesquisadora Patrícia Klaser Biasoli da Fundação de Economia e Estatística (FEE) aponta que há uma Inversão do comportamento do desemprego entre homens e mulheres na RMPA. A pesquisa foi apresentada pela estatística da FEE durante a coletiva de imprensa da Carta de Conjuntura de novembro.

carta conjuntura

Pesquisadores da Fundação de Economia e Estatística e jornalistas na apresentação da Conjuntura de novembro de 2015

Segundo a pesquisadora, historicamente, para a Região Metropolitana de Porto Alegre, a taxa de desemprego das mulheres era superior à dos homens, e, não raro, elas representavam a maioria dos desempregados. No estudo, Patrícia Biasoli salienta que “A deterioração do mercado de trabalho dos últimos meses parece estar afetando mais os homens do que as mulheres. Em agosto de 2015, pela primeira vez na série histórica da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) iniciada em junho 1992, observou-se uma igualdade nas taxas de desemprego entre homens e mulheres em 9,7%. Em setembro de 2015, a taxa de desemprego dos homens superou a das mulheres, sendo que a taxa masculina mais que dobrou no último ano, ao passar de 5,1% em setembro de 2014 para 10,3% em setembro de 2015 (aumento de 102%)”. A taxa do desemprego das mulheres subiu de 7% para 9,9% (aumento de 41,4%) no mesmo período.

O embargo agrícola russo e seus efeitos nas exportações gaúchas

Outro destaque da Carta de Conjuntura de novembro é O embargo agrícola russo e seus efeitos nas exportações gaúchas, na visão do internacionalista Bruno Mariotto Jubran e do economista Sérgio Leusin Júnior. Salientam os pesquisadores que a Rússia tem sido importante parceira no comércio exterior do Rio Grande do Sul, chegando a ocupar a 7ª posição como destino das exportações do Estado em 2015, graças ao comércio de carnes e, em menor escala, ao de tabaco.

Um dos fatos recentes mais notáveis  ocorreu em 6 de agosto de 2014, quando, em resposta às sanções impostas por diversos países, inclusive os Estados Unidos e todos os países da União Europeia, o presidente russo Vladimir V. Putin assinou um decreto que embargava a importação de itens agrícolas produzidos nesses países. A retaliação russa, no momento de sua publicação, abriu caminho para os exportadores agrícolas de outros países, inclusive os do Brasil, seja para obter acesso, seja para aumentar sua participação no mercado daquele país.

“Pode-se dizer que o RS obteve vantagem na realocação geográfica dos fluxos comerciais ocasionada pelo decreto. Nesse sentido, observa-se que o Estado conseguiu elevar o valor das suas exportações, diferentemente do desempenho do Brasil nesse período. Uma possível explicação para esse movimento é o número significativamente maior de frigoríficos gaúchos autorizados pelo governo russo a exportar carne suína, comparativamente a outros estados brasileiros”, afirmam.

Íntegra da Carta de Conjuntura

A “melhora” da balança comercial brasileira em 2015 – Clarissa Black

Resultados do Índice de Oportunidades da Educação Brasileira (IOEB) para o RS – Marcos Vinicio Wink Junior

Desaceleração do PIB trimestral do RS e os indicadores da PNAD Contínua – Roberto Rocha

A balança comercial brasileira de serviços – Beky Moron de Macadar

A política para preservação do patrimônio cultural imaterial no Brasil – Gabriele dos Anjos

Política de estacionamento e efeitos na mobilidade urbana – Ricardo Brinco

Anelise Rublescki – Jornalista

Texto: Núcleo de Imprensa - FEE