FEE divulga perfil detalhado da população gaúcha

Já estão disponíveis no site da FEE as estimativas populacionais do Rio Grande do Sul, referentes a 2015, produzidas pelos estatísticos Pedro Zuanazzi e Mariana Bartels, do Núcleo de Demografia e Previdência. O levantamento apresenta dados segundo sexo e grupos etários em cada município gaúcho. O nível de detalhamento dos dados permite conhecer o número de pessoas por idade simples no Estado. Por exemplo, podemos estimar quantas mulheres de 24 anos vivem no RS. O mesmo ocorre em cada cidade com a faixa etária entre 0 e 19 anos. É possível estimar, por exemplo, quantas crianças de 10 anos moram em determinado município.  Esse grau de detalhe maior é possível porque as estimativas são produzidas a partir dos registros de nascimento, óbitos e números de matrículas no ensino fundamental.  “ As estimativas fazem uso de dados oficiais e permitem avançar no maior detalhamento e precisão na evolução populacional”, garante Zuanazzi.

Os dados também oferecem um comparativo da evolução populacional nos últimos 15 anos. As tabelas completas podem ser acessadas aqui. Durante esta semana, a FEE vai destacar dados curiosos e relevantes para entender as mudanças e movimentos no perfil populacional do Estado.

As mudanças municipais

O conjunto de tabelas produzido pelo Núcleo de Demografia e Previdência permite olhar as mudanças na população dos municípios gaúchos por diversos ângulos. Quem mais cresceu em população? Quais são os vinte mais populosos? Quem perdeu mais moradores?

Os cinco municípios mais populosos do Estado são, na ordem, Porto Alegre (1.475.717), Caxias do Sul (475.906), Canoas (350.824), Pelotas (342.649) e Santa Maria (274.679). Já dos cinco municípios com maior crescimento populacional relativo entre 2001 e 2015, quatro se localizam no litoral norte: Arroio do Sal (crescimento de 65,81%), Imbé (63,27%), Xangri-lá (61,64%), Balneário Pinhal (57,01%) e Nova Santa Rita (53,40%). Segundo Zuanazzi, a migração para essas cidades litorâneas ocorre em todas as faixas etárias, inclusive entre os mais idosos. “Claro que esse movimento acaba por gerar demanda de serviço, portanto, faixas mais jovens também se deslocam pela oportunidade de trabalho. Além disso, a elevada quantidade de domicílios de uso ocasional na região são um atrativo para aqueles que desejam sair dos centros urbanos mas não querem adquirir uma nova moradia”, explica. Dentre as cidades com maior perda populacional desde 2001, destacam-se principalmente municípios da fronteira e do Alto Uruguai: Porto Vera Cruz (-32,69%), Rio dos Índios (-32,12%), Itatiba do sul (-28,86%), União da Serra (-27,35%) e Alpestre (-26,81%).

Envelhecimento e juventude

Os dados de 2015 confirmam a tendência de envelhecimento da população no Estado. Aumentou o número de idosos (+ de 60 anos) na ordem de 2,68% no comparativo 2014-2015, enquanto a população inteira aumentou 0,36%. Contudo os nascimentos também revelaram certa recuperação, redesenhando a pirâmide etária gaúcha. “Até 2010 vinha caindo drasticamente o número de nascimentos e as projeções esperavam a continuidade de redução, mas o que se vê é que o número de nascimento subiu um pouco, na faixa de 0 a 4 anos voltamos a patamares de 2008”, destaca Zuanazzi.

pirâmide

O percentual de pessoas com 60 anos ou mais em todo o Estado chega a 15,67% da população. Mas alguns municípios apresentam índices que dobram esse percentual. Os cinco municípios gaúchos com maior número de idosos se localizam na Serra e no Vale do Taquari: Coqueiro Baixo (36,88% de idosos), Coronel Pilar (32,79%), União da Serra (30,44%), Santa Tereza (29,80%) e Relvado (29,32%). Já com relação à infância, o Rio Grande do Sul registra 12,40% de pessoas de 0 a 9 anos de idade. Os cinco municípios com o maior número de crianças no Estado são: Redentora (17,01%), Araricá 16,82%, Capão da Canoa (16,52%), Tramandaí (15,70%) e Alvorada (15,61%).

Mais mulheres?

Outra especificidade interessante que as estimativas permitem localizar é a relação entre homens e mulheres na população. A proporção de nascimentos dá vantagem masculina: para cada 100 mulheres, nascem 106 homens. Eles são maioria até os 20 e poucos anos, quando a proporção começa a oscilar e se igualar. A partir dos 30 anos, já começam registros de maior número de mulheres. Mas é nas faixas mais maduras que a diferença aumenta. Aos 80 anos a proporção já é de duas mulheres para cada homem.  Enquanto que no RS as mulheres representam 51,33% da população, a cidade com maior proporção de mulheres é a capital, Porto Alegre, com 53,67%. Já o município com maior proporção de homens é Charqueadas, com 57,82%.

Sandra Bitencourt- Jornalista

Texto: Núcleo de Imprensa - FEE