Indústria favorece exportações, mas RS cai para 6º estado exportador

Em fevereiro, o Rio Grande do Sul exportou US$ 859 milhões, um recuo de 1,8% em relação a fevereiro de 2015. O volume embarcado ao exterior apresentou um desempenho positivo (17,6%), ficando o preço (-16,5%) como o responsável pelo recuo das divisas em dólar das exportações gaúchas. Com esses resultados, o RS recua do 4º lugar para o 6º no ranking dos principais estados exportadores, sendo ultrapassado pelo Mato Grosso e pelo Paraná e mantendo-se atrás de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. O desempenho das vendas externas do RS foi inferior ao do Brasil, cujas exportações cresceram 10,4% em valor e 36% em volume, com uma queda em preços de 18,8%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (17), pelo Núcleo de Dados e Estudos Conjunturais da Fundação de Economia e Estatística (FEE).

Segundo Tomás Torezani, pesquisador em Economia da FEE, “Mato Grosso e Paraná se destacaram no mês com um crescimento bastante expressivo de suas vendas externas de produtos básicos, mais especificamente de milho e de soja em grãos. Juntamente com São Paulo, foram os três estados que registraram os maiores ganhos em valor. Ademais, a despeito de fevereiro já não ser um mês tão dinâmico como outros meses para o RS, o de 2015 já tinha sido o pior desde 2010 e agora, em 2016 as nossas exportações foram apenas maiores que as de 2006”.

No mês, os produtos industriais (que incluem os semimanufaturados e os manufaturados) registraram crescimento tanto em valor (42,2% e 0,4%, respectivamente) quanto em volume (65,6% e 22%), mesmo com quedas em preços (-14,2% e -17,7%, respectivamente).

As exportações de produtos manufaturados representam 45,5% da pauta (US$ 391 milhões), enquanto produtos semimanufaturados cresceram de 10 para 14%  da pauta no comparativo entre fevereiro de 2016 (US$ 122 milhões) e o mesmo período de 2015. Entre os manufaturados, os produtos que mais puxaram o crescimento das exportações foram polímeros plásticos, calçados e automóveis.  O destaque negativo foi o recuo nas vendas de ônibus e de máquinas agrícolas.

Já as exportações de semimanufaturados cresceram especialmente em função das vendas de celulose (+US$ 46 milhões), saindo de uma contribuição para a pauta de semimanufaturados de 6% em fevereiro de 2015 para 42% em 2016, com uma elevação de 913% em valor e de 979% em volume, apresentando retração em preços de 6,1%. Outro produto em destaque que apresentou crescimento foi couros e peles curtidos. Por seu turno, o óleo de soja em bruto foi o produto com o maior recuo (-US$ 11 milhões).

Resultado distinto foi verificado nos produtos básicos que, mesmo com um ligeiro crescimento em volume (0,7%), recuaram 12,8% em valor, em virtude da retração em preços (-13,4%). Os produtos que mais contribuíram para a redução das vendas foram trigo em grão e farelo de soja. Como resultados positivos, destaque para o crescimento das vendas de soja em grão, fumo em folhas, carne bovina e carne suína. Ressaltam-se, também, os crescimentos em valor e volume das vendas de carne de frango e de arroz.

Os principais destinos das exportações gaúchas em fevereiro foram Estados Unidos (12,5%), China (10%), Argentina (8,7%), Alemanha (3,1%) e Uruguai (3,0%).

Íntegra da pesquisa

Anelise Rublescki

Jornalista

Texto: Núcleo de Imprensa - FEE