Ipea e FEE lançam livro e debatem sobre o desenvolvimento regional

O lançamento do livro Desenvolvimento Regional no Brasil: Políticas, estratégias e perspectivas, reuniu, nesta terça-feira (20/6), pesquisadores da Fundação de Economia e Estatística, do Instituto de Pesquisa Econômica aplicada (Ipea) e representantes de diversos segmentos sociais para debater o tema. Organizada por Aristides Monteiro Neto, César Nunes de Castro e Carlos Antonio Brandão e lançando pelo Ipea, a obra verticaliza o debate sobre  o desenvolvimento regional no Brasil, envolvendo a evolução do tema no período 2000-2015. Como debatedor convidado, o evento contou com o economista, professor da UFRGS, Diretor do Centro de Estudos Internacionais sobre Governo – CEGOV e exSecretário da Fazenda do RS Ario Zimmermann.

Para o Diretor Técnico da FEE, economista Martinho Lazzari, não há como fazer uma análise nacional ou regional sobre o desenvolvimento no Brasil sem o olhar local”. Para Lazzari, “o papel da FEE, e das demais instituições de pesquisa estaduais, é muito importante, já que é salutar uma análise por diferentes olhares”.

No mesmo sentido caminham as observações de Aristides Monteiro Neto, economista do Ipea e atual coordenador da área de estudos regionais da Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais (Dirur). “A FEE é uma parceira de longa data. Iniciativas como a obra agora lançada, que reúne trabalhamos de pesquisadores de estados tão diversos quanto o Amazonas e o Rio Grande do Sul, do pará e do Rio de Janeiro, passando por Espírito Santo, Paraíba e Pernambuco, por exemplo, faz com que as pesquisas ganhem extensão nacional com colorido local”, analisa Aristides.

Os 14 capítulos reunidos na coletânea devem ser lidos, “sempre que possível, para além do seu conteúdo e temporalidade específicos, como reflexão dos esforços sobre desenho e implementação de políticas, sobre acertos e desacertos das estratégias criadas com vistas à construção da mudança estrutural necessária para elevar possibilidades e oportunidades de desenvolvimento em regiões de retraso socioeconômico”, pontuam os organizadores, na Introdução da obra.

Organizado em quatro grandes áreas por seções temáticas, inicia o livro com Panorama das políticas nacionais para o desenvolvimento regional, que reúne duas experiências analíticas da política regional em um contexto de ativismo ­social e de farta criação de políticas nacionais setoriais.

A parte II, Novas realidades regionais: Amazônia, Nordeste e Centro-Oeste, reúne os estudos que investigam as macrorregiões, ainda que em subespaços internos a elas. Já Estratégias setoriais e subnacionais de desenvolvimento regional traz três reflexões sobre estratégias nacionais e estaduais de desenvolvimento.

Em Economia e política do desenvolvimento regional no Rio Grande do Sul, Tomás Fiori, Coordenador do Núcleo de Estudos Regionais da FEE e professor Adjunto da Escola de Negócios da PUCRS, investiga as possibilidades de crescimento da economia gaúcha. A partir da apresentação de um histórico tanto do desenvolvimento gaúcho desde fins do século XIX quanto da atuação do governo estadual com relação ao desenvolvimento do Rio Grande do Sul, Fiori salienta a baixa capacidade estatal de planejamento regional nas últimas décadas, debilidade atribuída pelo autor à precária integração dos canais de participação, orçamento e planejamento do desenvolvimento no Estado.

Sua contribuição a esta coletânea permite pensar as dificuldades para a mudança estrutural mesmo em regiões, como no estado do Rio Grande do Sul, que já atingiram nível de desenvolvimento socioeconômico superior e começam a sofrer por não conseguirem se manter em trajetória ascendente. “A rede de estudos e colaboração em pesquisa, com produtos como a obra que hoje lançamos, permite estudos englobando diversas regiões do Brasil, ampliando a capacidade de compreendermos o cenário e permitindo uma análise de conjuntura a longo prazo”, pondera Fiori.

No quarto eixo temático do livro, Processo de desindustrialização e a questão regional, duas contribuições apresentam um alerta para as consequências regionais do processo de desindustrialização pelo qual passa o País, tema emergente de pesquisa econômica e regional.

Encerrando a obra, em Reflexões para um desfecho analítico, os organizadores trazem uma ponderação final no capítulo Desenvolvimento regional brasileiro: dilemas e perspectivas neste início de século XXI. Por um lado, buscam apontar preocupações que permanecem na ordem do dia nesta última década, relacionadas com o processo de desindustrialização e enfraquecimento dos elos de ligação entre os mercados regionais brasileiros; por outro, apresentam algumas fendas observadas nas políticas e estratégias presentemente seguidas, as quais poderiam renovar e estimular o debate sobre transformações a serem perseguidas pelas políticas públicas.

Acesse a íntegra da obra aqui.

Anelise Rublescki – jornalista FEE

 

 

Texto: Núcleo de Imprensa - FEE