PED-RMPA revela taxa de desemprego relativamente estável em outubro

A FEE divulgou nesta quarta-feira, 30, os dados relativos a outubro de 2016, destacando relativa estabilidade do desemprego total e aumento do nível ocupacional. A taxa de desemprego, entre setembro e outubro, variou de 11,0% para 10,8% da população economicamente ativa.  O número total de desempregados, em outubro, foi estimado em 209 mil pessoas, 2 mil pessoas a menos em relação ao mês anterior. Esse resultado deveu-se ao fato de que o crescimento da ocupação (mais 23 mil, ou 1,3%) foi maior que o contingente que ingressou no mercado de trabalho (mais 21 mil, ou 1,1%). A taxa de participação passou de 53,8% para 54,3%, no período em análise.

pedoutubro2016

Ricardo Franzói, (E), Supervisor do Dieese, Rafael Caumo, Coordenador da PED, Carlos Henrique Horn,economista professor da UFRGS, Martinho Lazzari, Diretor Técnico da FEE, Cássio Calvete, Diretor da Abet e Michele Bohnert, assessora da FGTAS

Esse aumento de vagas pode ser um sinal positivo de recuperação, mas ainda sem muito vigor, aponta  a economista da FEE,  Iracema  Castelo Branco. “ O setor de comércio foi o que mais gerou vagas, 14 mil, mas pode-se pensar em algo sazonal, embora no ano passado isso não tenha acontecido. Já temos alguns meses de resultado positivo, se olharmos o gráfico dos últimos doze meses a retração do nível de ocupação vem diminuindo”. Contudo, Iracema faz o alerta que as ocupações que estão sendo geradas são de trabalhos autônomos, empregados domésticos e assalariados, “o que indica uma certa precarização do mercado de trabalho, que nos remete a um cenário semelhante à década de 90. Em termos de renda do rendimento médio estamos retornando aos patamares de 2004”, aponta.

Esses comparativos são possíveis de realizar porque a PED-RMPA tem uma série  de 24 anos de pesquisa ininterrupta na Região Metropolitana de Porto Alegre, destacou o coordenador da PED na FEE, estatístico Rafael Caumo. O Rio Grande do Sul, através da PED-RMPA, é um dos poucos Estados que possuem a geração de dados primários com periodicidade contínua para a investigação de temas de interesse público de modo a auxiliar e monitorar as políticas públicas. Além disso, possibilita pesquisas suplementares – caronas – a fim de investigar outros temas relevantes. “ É  a pesquisa mais antiga e reconhecida internacionalmente como instrumento científico para monitorar o mundo do trabalho. A PED possui um acervo único e público  sobre o mercado laboral da região, a maior amostra e um arranjo institucional que permite o intercâmbio de metodologia e sua aplicação na definição de políticas públicas”, complementa Rafael.

O momento de divulgação da pesquisa foi também um espaço para a defesa da manutenção da FEE, ameaçada de extinção no pacote que está sob análise da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. O Diretor Técnico da FEE, Martinho Lazzari,  destacou que “é triste ter que explicar que a existência da FEE é importante, ainda mais num momento de crise em que a FEE pode ajudar com os gastos do governo e fortalecer políticas públicas. Tenho certeza de que sairemos mais fortalecidos”. O economista  e professor do Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Carlos Henrique Horn, chamou a atenção sobre os dados da PED que podem ser interrompidos.  “Esta é uma informação que não existirá a partir do próximo mês se houver a extinção da FEE. É falsa a ideia de que a produção de dados da FEE pode ser substituída por outras instituições. Inteligência é algo que leva muito tempo para construir e pode ser destruída em meia hora de votação. Estas tabelas que parecem simples quando divulgamos a síntese da pesquisa, têm por trás a seleção e a visita a 7500 domicílios, a aplicação de questionários, a análise, a validação dos dados, enfim, é um trabalho minucioso, complexo e altamente necessário. Só a FEE faz”, enfatiza. Para o diretor da Associação Brasileiras de Estudos do Trabalho (ABET), professor Cássio Calvete, causa estarrecimento e perplexidade a possibilidade de extinção da FEE. “Como o Estado vai sair da crise sem informação”? questiona o economista.

A PED de outubro mostrou ainda que com referência aos setores de atividade econômica analisados, constatou-se aumento no comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas (mais 13 mil ocupados, ou 3,9%), na construção (mais 10 mil ocupados, ou 8,2%) e nos serviços (mais 10 mil ocupados, ou 1,1%). De forma distinta, houve redução na indústria de transformação (menos 10 mil ocupados, ou -3,3%).

Entre agosto e setembro de 2016, o rendimento médio real apresentou relativa estabilidade para o total de ocupados (-0,1%) e redução para os assalariados (-1,7,%) e para  os  trabalhadores autônomos  (-3,1%).

Sandra Bitencourt- Jornalista

Texto: Núcleo de Imprensa - FEE