Setor de serviços é determinante para os principais ganhos do PIB dos municípios gaúchos em 2014

A Fundação de Economia e Estatística (FEE), em conjunto com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgou nesta quarta-feira, 14, o Produto Interno Bruto (PIB) dos municípios para 2014. O maior setor de atividade no Rio Grande do Sul é o serviços, que gerou um total de R$ 208,6 bilhões em 2014 (58,3% do PIB do estado), seguido pela indústria (20,2%) e a agropecuária (8,1%). O município com maior PIB segue sendo Porto Alegre (R$64,0 bilhões), seguida por Caxias do Sul, Gravataí, Canoas, Santa Cruz do Sul, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Rio Grande, São Leopoldo e Pelotas.

tabela

Os dez maiores municípios do estado representaram 42,2% do PIB total do RS (ante 42,7% em 2013). Dentre as características dessas 10 cidades está a população expressiva (população superior a 100.000 habitantes) e o setor de serviços como a atividade econômica mais importante. Em 111 municípios a agropecuária é a principal atividade. Já em outros 23 municípios a indústria é o principal setor. Os serviços se destacam em 363 municípios. Segundo o economista da FEE, Guilherme Risco, são vários município em que a atividade agropecuária é o maior setor, mas são cidades pequenas no geral e com isso, no todo do RS, a agropecuária acaba tendo um tamanho geral menor. “Já o setor serviços está presente em todos os municípios de uma  maneira geral, porque tem uma relação mais forte com as outras atividades”, explica.

O maior Valor Adicionado Bruto (VAB) da agropecuária no Estado foi gerado no município de Cachoeira do Sul (1,6% do VAB da agropecuária gaúcha). Já o município de Caxias do Sul teve o maior VAB industrial do estado (9,8% do setor). Enquanto que Porto Alegre se destaca por ser o maior VAB de serviços do estado (22,8% do setor).

O PIB per capita do Rio Grande do Sul foi de R$ 31.927 em 2014. O município com maior valor no Estado continua sendo Triunfo (R$ 184.668,72), devido às atividades do polo petroquímico. Na sequência, destacam-se os Municípios de Muitos Capões (R$ 119.432,80), devido a produção de soja, Horizontina (R$ 103.535,12), em que predominam atividades de fabricação de máquinas agrícolas, e Pinhal da Serra (R$ 98.696,07), que possui uma usina hidroelétrica. Já os menores níveis de renda per capita são: Alvorada (R$ 10.637,61), Ametista do Sul (R$ 10.701,15), Caraá (R$ 10.935,27), Amaral Ferrador (R$ 11.110,28), Dezesseis de Novembro (R$ 11.382,48) e Benjamin Constant do Sul (R$ 11.385,67).

coletiva

Da esquerda para direita: os economistas da FEE Guilherme Risco, Roberto Rocha, Martinho Lazzari (Diretor Técnico) e Juarez Meneghetti (Supervisor do Centro de Indicadores Econômicos e Sociais) divulgam os dados para a imprensa e pesquisadores

No comparativo com 2013, o PIB do RS apresentou, em 2014, um crescimento nominal de 7,7%. Resultado de uma queda de 0,3% no volume produzido e um de um aumento de 8,0% nos preços. O setor que mais contribuiu para esse desempenho foi o de serviços, que cresceu nominalmente 11%. Os setores de indústria e agropecuária também apresentaram variações positivas de 4% e 0,42% respectivamente. Os cinco municípios que apresentaram maior crescimento relativo do PIB nominal foram: Candiota (82,8%), Nova Araçá (49,3%), Lindolfo Collor (37,2%), Santa Clara do Sul (35,4%) e Erval Grande (34,2%).

Os municípios que tiveram maior ganho de participação no PIB do Estado foram: Porto Alegre (0,45p.p), Santa Cruz do Sul (0,21 p.p), Guaíba (0,18 p.p), São Leopoldo (0,12 p.p), Santa Maria (0,08 p.p), Sapiranga (0,07 p.p), Horizontina (0,07 p.p), Pelotas (0,06 p.p), Novo Hamburgo (0,059 p.p) e Bento Gonçalves (0,058 p.p).

Em 2014 os municípios que tiveram a maior queda de participação no PIB do Estado foram: Canoas (-0,58 p.p), Rio Grande (-0,39 p.p), Triunfo (-0,34 p.p), Caxias do Sul (-0,19 p.p), Passo Fundo (-0,11 p.p), Aratiba (-0,11 p.p), Erechim (-0,08 p.p), Cruz Alta (-0,05 p.p), Ijuí (-0,04 p.p) e Tupanciretã (-0,039 p.p).

Mudanças de posição

As principais mudanças de posição em relação a 2013, nos maiores municípios, são: Gravataí sobe uma posição. Canoas cai uma. Santa Cruz do Sul vai de 8º para 5º. Novo Hamburgo sobe uma. Passo Fundo cai de 6º para 7º. Rio Grande cai de 5º para 8º. Pelotas cai uma posição. Dentre os 10 maiores, entra São Leopoldo (vai de 11º para 9º) e sai Triunfo (vai de 10º para 15º).

“Em 2014 não teve um evento mais extraordinário como quebra de safra, fatores climáticos ou mesmo recuperação expressiva de algum setor, sobretudo no agronegócio. Como a indústria cresceu pouco em termos nominais, o setor de serviços acabou se destacando e  com isso foi determinante para os municípios com melhor desempenho”, explica Risco.

Sandra Bitencourt- Jornalista

Texto: Núcleo de Imprensa - FEE